Página InicialNa MídiaSemana em Brasília

2012/01/30 a 02/03 - Semana em Brasília

O Congresso Nacional fez a cerimônia para abertura dos trabalhos legislativos....

 

Colegas

O Congresso Nacional fez a cerimônia para abertura dos trabalhos legislativos com a mensagem da ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann.

A Câmara retoma os trabalhos com cinco medidas provisórias trancando a pauta, entre elas a que prevê financiamento para o setor de defesa e a que dispõe sobre liberação de recursos para os estados exportadores.

O site da ASSESPRO NACIONAL está cada vez mais completo, a seguir você precisa conferir muitos novos links incluídos na semana:


Clipping:

Assespro Nacional encaminha ofício ao MI em repúdio ao concurso público para cargos técnicos em TI


Press Releases:

Assespro Nacional encaminha ofício ao Ministério da Integração em repúdio ao concurso públicxo para cargos de Técnicos em TI

 
Notícias das Regionais:
RH no foco da Assespro/RS em 2012

Cenário novo é propício ao desenvolvimento da tecnologia

Filiados da Assespro/MG possuem desconto na Brasil Licitações

"Fechei negócio com apoio da Assespro/MG" 

Crimes cibernáticos avançam e requerem atenção

Assespro/MG realiza mais uma edição do curso Help Desk Day


Notícias das Associadas:
Sitewate coordena elaboração do planejamento estratégico da Assespro e disponibiliza PortalSIM

 

Eventos:
CeBit 2012 - Empresário Brasileiro tem de sair da zona de conforto e ousar
 

Negócios:
Oportunidade de Negócios - Desenvolvedor S3T

 

Agenda do Setor de TI:
Agenda 2012 - Assespro Nacional


Revista TI:
Veja as edições da Revista TI



Vejam abaixo notícias de interesse do Setor.

O presente informativo é elaborado com o intuito de atualizar as empresas associadas da ASSESPRO, sobre as principais notícias políticas, e tem como principal fonte as Agências Câmara e Senado. Também conta com a colaboração da Assessora Legislativa Sra. Hosa Freitas, do Assessor Parlamentar da FNTI, Sr. Paulo Lustosa, e do Escritório Correia da Silva Advogados.

Forte abraço a todos.

Luís Mario Luchetta
Presidente
luis.mario@assespro.org.br
(61) 4501-8301

ASSESPRO Nacional - Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação
www.assespro.org.br



TST impõe metas até 15% superiores para quem aderir ao Teletrabalho

O Órgão Especial do Tribunal Superior do Trabalho aprovou no dia 01/02, na sessão que marcou a abertura do ano judiciário, ato que regulamenta o teletrabalho em seu quadro de pessoal. A medida define critérios e requisitos para a realização de tarefas fora das dependências do Tribunal, mediante controle de acesso e avaliação permanente do desempenho e das condições de trabalho.

Ao propor a regulamentação, o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen, observou que o avanço tecnológico, especialmente com a implantação do processo eletrônico, possibilita o trabalho remoto, que, por sua vez, traz vantagens e benefícios diretos e indiretos para a administração, para o servidor e para a sociedade. Dalazen lembrou que a Lei nº 12.551/2011, sancionada em dezembro pela presidenta Dilma Rousseff, reconhece essas vantagens ao equiparar o teletrabalho ao trabalho presencial.

De acordo com a normatização adotada pelo TST, a realização do teletrabalho é facultativa, a critério do gestor de cada unidade, e restrita às atribuições em que seja possível, em função da característica do serviço, mensurar objetivamente o desempenho do servidor – por meio de estipulação de metas de desempenho diárias, semanais e/ou mensais. As metas para os servidores que optarem por trabalhar remotamente serão no mínimo 15% superiores à estipulada para o trabalho presencial.

O teletrabalho é vedado a servidores em estágio probatório, àqueles que tenham subordinados e aos que tenham sofrido penalidades disciplinares. Por outro lado, o ato dá prioridade aos portadores de deficiência, e limita a 30% o número de servidores de cada unidade autorizados a trabalhar fora do TST. Os setores que prestam atendimento ao público interno e externo têm de manter sua plena capacidade de funcionamento.

Convergência Digital

 
Diário publica resolução que prorroga pagamento da parcela de janeiro do Simples Nacional para 12 de março

 O prazo para que micro e pequenos empresários e empreendedores individuais, que fazem o recolhimento simplificado de tributos, paguem a parcela de janeiro foi prorrogado até o dia 12 de março. O prazo original terminava no próximo dia 22. A decisão, tomada pelo Comitê Gestor do Simples, foi publicada hoje (3) no Diário Oficial da União .

De acordo com o Comitê Gestor, responsável pelo regime especial, a mudança da data foi provocada pela necessidade de adaptação do novo programa de cálculo do valor da parcela. O aplicativo que ficaria pronto no início de fevereiro só estará disponível em 5 de março.

O comitê também estabeleceu o prazo de entrega da Declaração Anual do Simples Nacional (Dasn). O documento poderá ser enviado até 16 de abril, e o aplicativo para o preenchimento dos dados estará disponível a partir de 1º de março. Empresas com sede em municípios que decretarem calamidade pública até 16 de abril poderão entregar o documento em 30 de junho.

O prazo para pedir novas adesões ao Simples Nacional terminou na última terça-feira (31). A Receita Federal processará as requisições e divulgará o resultado final até 15 de fevereiro.

Criado em 2007, o Simples Nacional reúne, em um pagamento único, seis tributos federais: Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), PIS/Pasep, Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e contribuição patronal para o INSS.

Christina Machado – Repórter da Agência Brasil

 
Marco Maia antecipa os principais itens da pauta de 2012

Em seu discurso nesta quinta-feira (2) na reabertura dos trabalhos legislativos, o presidente da Câmara, Marco Maia, destacou projetos prioritários para as votações deste ano, dentre eles o que institui o fundo de previdência complementar do servidor público federal (Funpresp – PL 1992/07). O presidente afirmou que a proposta “já conta com um forte indicativo de acordo entre as lideranças da Casa”.

Outra proposta que deve movimentar a Casa ainda no primeiro semestre, segundo Marco Maia, é aquela sobre a distribuição dos royalties do petróleo (PL 2565/11). De acordo com ele, os parlamentares estão amadurecendo o debate sobre a medida, “que certamente proporcionará importante volume de recursos a estados e municípios que permitirão desenvolver ou aprimorar políticas públicas essenciais”.


Agenda
Quanto ao projeto da Lei Geral da Copa (PL 2330/11), o presidente defendeu sua rápida aprovação. Para ele, trata-se do “instrumento que formatará a organização deste tão grandioso evento, que servirá de vitrine da cultura brasileira para o mundo”.

Neste ano, a Câmara também irá trabalhar pelo aprimoramento da chamada Lei Seca (11.705/08), segundo garantiu Marco Maria. “Precisamos enrijecer ainda mais os dispositivos legais para aqueles que misturam álcool e direção, na incessante busca pela redução dos tão nefastos acidentes de trânsito”, afirmou.

O presidente da Câmara destacou ainda a necessidade de cautela com as despesas governamentais. “Temos como certo que os gastos públicos, neste momento de conjuntura econômica mundial duvidosa, devem estar diretamente ligados ao aumento da produção e ao desenvolvimento econômico do País”, ressaltou.


Resultados
No que diz respeito aos trabalhos do último ano, o presidente destacou que a Casa aprovou 637 propostas – 144 em Plenário e 493 nas comissões. Entre os textos aprovados, ele destacou a regulamentação da Emenda 29 e as aprovações da PEC da Música ; e do novo Código Florestal, após 12 anos de tramitação.

Marco Maia ainda ressaltou a votação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), da regulamentação do aviso prévio proporcional e do Estatuto da Juventude. E acrescentou: “Vale ainda destacar a implementação, em caráter permanente, da política de valorização do salário mínimo, que o levará, em pouco tempo, a um patamar superior a 500 dólares”.

O presidente ainda elogiou a aprovação da lei que regulamenta o acesso às informações (12.527/11). Em sua opinião, esse instrumento “certamente modificará o padrão de relacionamento entre as instituições e a cidadania”.

Por fim, o presidente lembrou que, devido às eleições municipais, o Congresso disporá de menos tempo para votações neste ano. No entanto, ressaltou que “a eleição municipal sempre propicia um debate importante e certamente trará novos desafios para o Legislativo”.

Reportagem – Maria Neves / Edição – João Pitella Junior


 
Discurso de Dilma destaca economia, saúde e investimentos para a Copa

Reforma política, Comissão da Verdade e políticas de combate à pobreza ao crack também foram lembradas pela presidente.

Em sua mensagem na sessão solene de reabertura dos trabalhos legislativos da 54ª legislatura, a presidente Dilma Rousseff destacou a parceria com o Congresso Nacional em uma série de políticas e instrumentos desenvolvidos pelo governo desde o ano passado.

No texto entregue ao presidente da Mesa do Congresso, José Sarney, pela ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, a presidente Dilma destacou o Plano Brasil Maior, a manutenção da Desvinculação das Receitas da União (DRU), a política de valorização do salário mínimo, a criação do Pronatec e a legislação do Programa Brasil Sem Miséria.

“Destaco também a unanimidade na aprovação da Comissão da Verdade e a aprovação da Lei de Acesso a Informações Públicas, dois avanços significativos, que contribuem para fortalecer e consolidar a democracia no Brasil e cuja ação efetiva e efeitos práticos já começarão a ser vivenciados em 2012”, acrescentou a presidente.

Dima destacou também o tema da reforma política: “Continuaremos trabalhando em conjunto com esta Casa para, através do debate democrático, avançar na reforma política. São necessárias mudanças que fortaleçam o sentido programático dos partidos brasileiros e aperfeiçoem as instituições, permitindo maior transparência ao conjunto da atividade pública.”
Economia
O texto integral da mensagem tem 472 páginas e traz um balanço das atividades de 2011, com grande foco na situação econômica favorável do Brasil frente a outras economias e nos avanços na tentativa de “transformar o Brasil em um país de classe média”.

“No ano em que as grandes potências mundiais cresceram pouco ou, em alguns casos, retrocederam, o Brasil manteve-se em crescimento, com inflação sob controle, juros descendentes e aumento das reservas internacionais, e gerou quase 2 milhões de empregos, o segundo melhor resultado da nossa história”, registrou Dilma.

“Esses resultados expressam o novo modelo de desenvolvimento que estamos consolidando, centrado no fortalecimento do mercado interno, na geração de emprego, distribuição de renda e investimentos. Com responsabilidade fiscal e monetária, temos adotado uma combinação de políticas macroeconômicas – fiscal e monetária – para manter o crescimento vigoroso e continuado e garantir a transformação do Brasil em um país de classe média”, acrescentou.
Dilma Rousseff se mostrou confiante, embora cautelosa, com o desempenho econômico brasileiro em 2012, dizendo que o País possui os instrumentos para garantir uma trajetória de crescimento sustentável, sem desequilíbrios fiscais, inflacionários ou externos.

“Mais da metade da população brasileira já pertence aos estratos médios de renda. O motor de nosso crescimento tem sido, e continuará sendo, o fortalecimento de nosso mercado interno e o combate à pobreza”, detalhou.
 

Disciplina e ousadia

Em outro momento, a presidente escreveu que, pela instabilidade do cenário internacional, a gestão econômica exigirá disciplina e ousadia. “Disciplina para assegurar a solidez de nossos fundamentos macroeconômicos, o que passa pelo alcance do superavit fiscal proposto para o corrente ano, pela atenção constante sobre a evolução dos preços e pela continuidade da redução da dívida pública  brasileira como proporção do PIB e melhoria de seu perfil. Ousadia para adotar todas as medidas necessárias à continuidade do crescimento da produção e do emprego e para proteger nossa estrutura produtiva.”

Pobreza

A presidente reiterou o compromisso, assumido em sua posse, com a erradicação da pobreza extrema no Brasil e exaltou os primeiros resultados do Programa Brasil Sem Miséria, que concentra as ações nesse sentido.

“Os resultados alcançados nos primeiros seis meses do plano mostram que estamos no caminho certo. Incluímos mais 1,3 milhão de crianças e adolescentes no Programa Bolsa Família; por meio da Busca Ativa, localizamos 407 mil famílias que tinham direito ao Bolsa Família e ainda não o recebiam. Levamos assistência técnica a 37 mil agricultores familiares e distribuímos 375 toneladas de sementes. Iniciamos a construção de 315 mil cisternas, e 16 mil famílias já se habilitaram ao recebimento do Bolsa Verde”, citou.

Saúde

Em relação à saúde pública, a presidente afirmou que o governo está enfrentando “uma das maiores demandas e preocupações da população brasileira”, que é a melhoria da qualidade nos serviços.

“Em fevereiro de 2011, lançamos o Programa Saúde não tem Preço, que até dezembro já havia distribuído, gratuitamente, remédios para 2,7 milhões de pacientes em tratamento da hipertensão e para 990 mil em tratamento de diabetes nas mais de 20 mil unidades do Aqui tem Farmácia Popular. Em seguida veio o Rede Cegonha, para oferecer assistência às mulheres desde a confirmação da gravidez até os dois anos de vida do bebê, e que já conta com a adesão de nove estados, 800 municípios e 600 mil gestantes atendidas. Lançamos também o Plano Nacional de Fortalecimento das Ações de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento de Câncer de Colo de Útero e de Mama, que envolverá, até 2014, investimentos de R$ 4,5 bilhões. Em 2011, foram realizados 8,9 milhões de exames citopatológicos preventivos de câncer de colo de útero e 2,8 milhões de mamografias de rastreamento, fundamentais para a prevenção e o tratamento precoce dessas doenças”, listou.

Primeira infância

A presidente declarou que pretende, em 2012, ampliar as políticas voltadas à primeira infância, que englobam as crianças de até 5 anos. “Vamos avaliar as ações já em curso, para aprimorá-las, desenhar novas políticas e integrar as existentes, orientados pelo propósito de dar mais eficácia e escala”, afirmou. ”Se formos capazes de garantir mais e melhor atenção e proteção a essa faixa etária estaremos atuando sobre uma das origens da desigualdade em nosso País.”

Crack

O combate ao consumo de crack também foi lembrado pela presidente. “O programa ‘Crack, é possível vencer’ terá especial atenção em 2012. Em parceria com estados, municípios e sociedade civil, aceleraremos a implantação de uma rede integrada de serviços e ações para garantir cuidado e tratamento para os dependentes químicos, reprimir o tráfico de drogas e o crime organizado e aprofundar o trabalho de prevenção e educação para evitar o consumo de drogas.”

Copa e Olimpíadas

Os preparativos para a realização da Copa do Mundo de Futebol em 2014 e das Olimpíadas em 2016 foram ressaltados na mensagem presidencial

No caso dos aeroportos, por exemplo, a presidente lembrou que o governo federal fará a concessão de três aeroportos à iniciativa privada: os de Guarulhos e Viracopos, em São Paulo, e o de Brasília. “Queremos parcerias para garantir que os aeroportos se modernizem e se expandam em ritmo adequado e compatível com o extraordinário crescimento da demanda por esses serviços no Brasil.”

Ela lembrou que o Congresso ainda não aprovou a Lei Geral da Copa. Quando isso ocorrer, indicou, o País terá cumprido todas as exigências da Federação Internacional das Associações de Futebol (Fifa) para a realização do evento.

“Todos os estádios estão em obras, apoiados por financiamento de R$ 3,4 bilhões do governo federal, por meio do BNDES, e os estados sede estimam que oito deles estarão prontos ao final deste ano e os demais, em 2013. A rede hoteleira está em expansão, também apoiada por financiamento do BNDES e dos fundos constitucionais. Iniciaremos, no corrente ano, a implementação, em parceria com os estados sede da Copa, das ações necessárias ao plano de segurança para este evento”, destacou.

Reportagem – Rodrigo Bittar /Edição – Juliano Pires

 


IG inicia oferta de suporte à micro e pequenas empresas
30 de janeiro de 2012
Fonte: Portal Itweb

O iG acaba de lançar o iG Suporte Empresarial, serviço que tem como objetivo solucionar necessidades específicas de micro e pequenas empresas e profissionais autônomos, do qual a empresa passa a oferecer suporte para dúvidas básicas relacionadas à TI e que, apesar de simples, podem gerar grande impacto no resultado, produtividade e custos de empresas desse porte.
De acordo com comunicado do IG enviado à imprensa, o serviço conta com atendimento telefônico, acesso remoto ou até mesmo com visitas técnicas presenciais, disponíveis nas principais cidades do Brasil.
“Outros pontos de destaque do novo serviço são a qualificação da equipe de técnica, o horário de atendimento, realizado 24 horas, sete dias por semana e o custo da solução, que possui preço fixo, independente da utilização do cliente, eliminando eventuais surpresas e permitindo um melhor planejamento com os custos de TI”, afirmou a empresa em comunicado.
Entre os serviços oferecidos estão: configuração de impressora, Scanner e Webcam; suporte, diagnóstico e manutenção de sistema operacional Linux ou Windows; diagnóstico de problemas de hardware; suporte básico para pacote Microsoft Office; instalação do software de segurança; diagnóstico e solução de problemas relacionados a vírus; orientação e instruções básicas sobre os serviços iG Negócios.
“É comum que existam nas pequenas e médias empresas, relações informais com técnicos que acabam tornando-se responsáveis indiretos pela área de TI. Este cenário pode representar um grande risco para as organizações, e é cada vez mais importante que a estrutura de tecnologia seja gerida por profissionais que possam garantir a continuidade dos serviços”, afirma em nota a diretora de produtos e serviços do iG, Glaucia Sayuri.

Fonte: ItWeb



SAP e Oracle se defendem com verticalização
31 de janeiro de 2012
Fonte: DCI

As gigantes do setor de software de gestão que atuam no Brasil, a alemã SAP e a norte-americana Oracle, têm buscado reverter a perda de oportunidades no mercado por conta da atuação de concorrentes menores em regiões do País onde elas não atuam, como o centro-oeste e o norte. Para se defenderem, ambas as companhias têm investido na expansão da capilaridade de seus canais de vendas em cidades menores do País, para atender a demanda por sistemas de gestão pouco explorada, embora crescente. Em 2011, a produção de softwares movimentou R$ 13 bilhões no Brasil, representando um terço da receita total bruta do setor de tecnologia da informação (TI), R$ 39,4 bilhões.
"Em termos de receita, SAP e Oracle estão atrás da brasileira Totvs no mercado nacional de sistemas de gestão, isso porque a empresa adotou o modelo de franquia para negociar seus produtos no País, atingindo maior penetração, enquanto que as duas empresas estrangeiras trabalham isso por meio de parceiros credenciados", explica Bruno Arrial, consultor de tecnologia da informação da consultoria Frost & Sullivan.
A estratégia da Totvs, de acordo com o consultor, está sendo adotada também pelas grandes, que perceberam que não conseguem atuar junto a clientes com pouco poder de investimento, por exemplo, da mesma forma como são eficientes nas grandes empresas. "A Oracle já está se mexendo para modificar um pouco a estrutura de seus canais. Recentemente a empresa fechou parceria com a IBM para poder aumentar sua participação pelo País", diz Arrial. "Outra estratégia que SAP e Oracle estão utilizando é a de focar seus canais de vendas em verticais, outra estratégia que a Totvs já utiliza há muito tempo", conclui o especialista.
A Softtek, empresa mexicana que possui operação no Brasil, foi uma das parceiras da alemã SAP que passaram a receber incentivos para que verticalizasse seu portfólio de serviços e produtos no País. "O mercado está tão competitivo que passamos a focar no segmento em que somos especialistas. Há cerca de 3 anos, a própria SAP vem incentivando seus parceiros para que se verticalizem", conta Walder Nascimento, gerente de Aplicação SAP da Sofftek.
"Somos o principal parceiro da SAP nas Regiões Norte e Nordeste. Além de forte penetração geográfica, a verticalização vai proporcionar à SAP especialização em setores onde ela não é tão presente", diz Nascimento. A Sofftek tem como principal vertical de atuação o setor de engenharia e construção, onde possui cerca de dez clientes. Atualmente, a área responde por cerca de 10% do faturamento da empresa. Outra empresa que ganha mercado em nichos não atendidos por grandes do setor é a americana Infor. Com um faturamento próximo de US$ 3 bilhões, a companhia aposta na especialização para enfrentar as gigantes, que possuem receitas muito maiores. O objetivo também é atacar por meio da verticalização dos canais de vendas em mercados específicos como governo, saúde e indústria automotiva.
Defesa - A SAP vai adotar este ano a estratégia de ampliar a participação dos canais brasileiros em sua receita até 2015 para 40%. No ano passado, a participação de parceiros foi de 20% no total faturado pela empresa. Aliás, a fabricante alemã anunciou que a receita total no País foi de 444,2 milhes de euros em 2011, alta de 9% em comparação com o ano anterior, sendo que o crescimento no quarto trimestre ficou em 2%.
 "Ainda temos muito que expandir no Brasil, principalmente em empresas de agronegócio, as quais estão passando por um grande processo de crescimento e vão demandar sistemas de gestão como aconteceu com o setor de óleo e gás", como explica Luís César Verdi, presidente da SAP Brasil, ao referir-se a uma expansão semelhante pela qual passou empresas como Petrobras e Vale, clientes da empresa. Verdi disse, ainda, que 70% dos clientes da companhia são pequenas e médias empresas, mercado atendido majoritariamente pelos parceiros. Hoje, é de cerca de 219 o número de revendas que atendem, e a expectativa da empresa é "aumentar este número investindo em treinamentos para enfocar a especialização dos canais", além de contar com verba cooperada para marketing. "A ordem junto ao parceiro é especialização", afirma. "A SAP vai investir no parceiro, e esperamos o mesmo movimento, pois há muito mercado para crescer no Brasil e na América Latina", sinaliza também Rodolpho Cardenuto, CEO da SAP na América Latina.
Já a concorrente Oracle, por sua vez, pretende triplicar a sua base de canais no País, justamente ao chegar a 5.400 canais espalhados em todo o território nacional. Mark Hurd, que é o CEO da Oracle, contou recentemente que os parceiros são essenciais para a estratégia de abrangência da companhia, uma vez que "eles chegam onde a Oracle não consegue ter rápida adesão", principalmente no que se trata de cidades do interior de grandes capitais. "Hoje, mais de 50% das vendas globais da companhia são feitas através de canais", complementou Hurd. 
Luiz Meisler, vice-presidente-executivo da Oracle para América Latina, explica que a expansão dos canais da empresa é o ponto-chave da estratégia da empresa para crescer sobretudo entre as médias e pequenas empresas (PME), segmento onde o negócio é tratado em diferentes níveis. "As contas que consideramos grandes são atendidas diretamente por nós, e geralmente existe a presença de um canal junto ao negócio. O segundo nível é feito através da Oracle, mas com presença mais forte do parceiro, e, por último, temos o atendimento apenas através do canal, que são as médias e pequenas empresas", explica Meisler.
Aquisições - Levantamento da KPMG apontou que o setor de TI foi que mais realizou fusões e aquisições no ano de 2011 no Brasil. Em 2010, foram concretizados 90 negócios envolvendo empresas do segmento, um aumento de 5,5%. Dentre as empresas de software, Totvs e SAP se destacam como as que mais compraram em 2010.

 

Acesse itvision.tv  http://itvision.tv/


Walter Rocha Palma  da Santa Casa da Misericórdia,  Raul Moreira da Embraco e Miguel Dos Santos Junior da Dasa, falam sobre como usam indicadores para manter pares, equipe e o Top Management alinhados com o desempenho da área de TI

Editar esta página (área restrita)

 

Institucional

Associados

Biografias

Depoimentos

Diretoria Nacional

Diretorias Regionais

Histórico

Internacional

Missão, Visão e Valores

Núcleos Regionais

Transparência

Contatos

Contate Nossa Assessoria

Onde Estamos

Receba nossa Comunicação

Sua Opinião

Webmaster

Associe-se!

Filie-se Já!

Quem pode se Associar

Seja um Conveniado

Seja um Patrocinador

Benefícios

Comerciais

Competitividade

Eventos

Juridico-Tributarios

Reconhecimento

Recursos Humanos

Representatividade

Salas e Auditórios

Biblioteca

Agenda do Setor de TI

Dados de Mercado

Documentos

Inscritos em Prêmiações em Andamento

Inscritos em Premiações Encerradas

Legislação

Material de Eventos

Oportunidades de Negócios

Perguntas Frequentes

Recomendações

Loja Virtual

Inscrição Prof. Imre Simon - 2014 - ASSOCIADOS

Inscrição Prof. Imre Simon - 2014 - NÃO ASSOCIADOS

Livro 'Juntos Somos Mais'

Na Mídia

Artigos

Clipping

Mídias Sociais

Newsletter

Notícias das Regionais

Notícias do Setor

Notícias dos Associados

Press Kit

Press Releases

Revista TI

Semana em Brasília

>
 
 
 

(C)opyright 1976 - 2016 by Assespro Nacional

Sede: SRTVS - Quadra 701 - Bloco A - Salas 829/831
Edifício Centro Empresarial Brasília
70340-907 Brasília (DF) - Brasil
Fone/Fax: +55 (61) 3201-0932

 

Layout desenvolvido por: