Página InicialNa MídiaNotícias das Regionais

09/10/2014 - PT ou PSDB? Próximo presidente terá muito a fazer pela TI no Brasil

Entidades representativas do setor de tecnologia indicam situações que o futuro presidente deve endereçar ao formatar uma política industrial para TI

 

Aécio Neves ou Dilma Rousseff? Independente de quem vença as eleições, a certeza é que o próximo presidente do Brasil terá muito o quê fazer em termos de política industrial de tecnologia da informação e telecomunicações. Enquanto os candidatos esquentam a disputa no segundo turno, questionamos algumas entidades setoriais sobre suas expectativas quanto ao próximo governo.

Ficou a certeza de que os problemas enfrentados por empresas do setor ultrapassam os limites da vertical e, como lembra a Abes (Associação Brasileira das Empresas de Software), tocam temas como reforma tributária, modernização das relações trabalhistas para atender às demandas dos novos tempos, burocracia e custo Brasil.

Além disso, dada a importância que a TIC ganhou ao longo dos anos, qualquer um dos dois candidatos que vença deve traçar um plano que possa alavancar o setor de forma que a indústria exerça função de suporte para retomada de crescimento econômico e de posição de destaque do País no cenário internacional.

Mas algumas lutas, contudo, são bastante específicas. “Atualmente os grupos estrangeiros estão dominando o mercado nacional e limitando o nosso desenvolvimento”, enxerga Antonio Neto, presidente do SINDPD (Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do estado de São Paulo) e da CSB (Central dos Trabalhadores Brasileiros).

O sindicato ainda carrega a bandeira da criação de uma empresa pública para o setor de TI, a exemplo da Petrobrás, com a intenção de potencializar o desenvolvimento e o investimento nacional no segmento, além, é claro, de ampliar as contratações e a geração de postos de trabalho. Esta empresa, de economia aberta, mas sob o comando do Estado, poderia congregar as empresas públicas de tecnologia, como Serpro e Dataprev, estimulando e canalizando as forças nacionais para o segmento.

“Também precisamos fomentar a criação de polos de tecnologia, ou seja, o incentivo do desenvolvimento sustentável, econômico, sociocultural e tecnológico de cidades interessadas em investir no segmento de tecnologia e desoneração de data centers, com o objetivo de aumentar a produção de empregos”, diz Neto, lembrando, ainda a inexistência de regulamentação da profissão de TI.

As principais entidades de TI entregaram as suas propostas, desenvolvidas em conjunto, para todos os candidatos, há cerca de 60 dias. O texto reúne reivindicações da Abes, Assespro e Brasscom em um documento entregue para políticos durante o período eleitoral (veja as reivindicações aqui).

Propostas

Embora um tanto etéreos, os planos de governo dos dois candidatos contemplam propostas que envolvem questões relacionadas a tecnologia da informação. “Infelizmente nenhum dos candidatos explicitou planos específicos para a indústria de TI”, comenta Roberto Mayer, vice-presidente de Relações Públicas da Assespro (Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação).

Para ele, a expectativa é que, assim como ocorreu em governos anteriores, a escolha da política industrial para o setor só ocorra após a eleição, com a escolha dos ministros – vale lembrar que na gestão atual, três pessoas passaram pela cadeira do MCTI.

Dentre as propostas para a área de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) no primeiro turno surgem questões, o candidato do PSDB, Aécio Neves, promete apoiar investimentos mais robustos em infraestrutura para universidades públicas e instituições de pesquisa.

Além disso, ele defende o ensino da tecnologia ligado à resolução de problemas sociais e a uma atitude empreendedora. A estruturação de um Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação é uma bandeira do candidato, que também pretende revitalizar o Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia.

Aécio garante que criará um programa de internacionalização da ciência brasileira, com intercâmbio de pesquisadores e atração de cientistas internacionais, além de implementar um plano nacional para a formação de pesquisadores. Ele também pretende criar uma estratégia para incentivar pesquisa e inovação nas empresas públicas e privadas.

A petista Dilma Rousseff aposta na inovação com uma das ferramentas para aumentar a competitividade produtiva do Brasil, com especial atenção para o programa Plataformas do Conhecimento, lançado em julho deste ano.

A candidata à reeleição pretende acelerar a produção de conhecimento que gerem novos produtos e processos. Ela também se compromete a adotar políticas públicas direcionadas para as áreas industrial, científica, tecnológica e agrícola afim de reduzir os custos de investimento e produção, a partir do estímulo à inovação.

TI Inside

Editar esta página (área restrita)

 

Institucional

Associados

Biografias

Depoimentos

Diretoria Nacional

Diretorias Regionais

Histórico

Internacional

Missão, Visão e Valores

Núcleos Regionais

Transparência

Contatos

Contate Nossa Assessoria

Onde Estamos

Receba nossa Comunicação

Sua Opinião

Webmaster

Associe-se!

Filie-se Já!

Quem pode se Associar

Seja um Conveniado

Seja um Patrocinador

Benefícios

Comerciais

Competitividade

Eventos

Juridico-Tributarios

Reconhecimento

Recursos Humanos

Representatividade

Salas e Auditórios

Biblioteca

Agenda do Setor de TI

Dados de Mercado

Documentos

Inscritos em Prêmiações em Andamento

Inscritos em Premiações Encerradas

Legislação

Material de Eventos

Oportunidades de Negócios

Perguntas Frequentes

Recomendações

Loja Virtual

Inscrição Prof. Imre Simon - 2014 - ASSOCIADOS

Inscrição Prof. Imre Simon - 2014 - NÃO ASSOCIADOS

Livro 'Juntos Somos Mais'

Na Mídia

Artigos

Clipping

Mídias Sociais

Newsletter

Notícias das Regionais

Notícias do Setor

Notícias dos Associados

Press Kit

Press Releases

Revista TI

Semana em Brasília

>
 
 
 

(C)opyright 1976 - 2016 by Assespro Nacional

Sede: SRTVS - Quadra 701 - Bloco A - Salas 829/831
Edifício Centro Empresarial Brasília
70340-907 Brasília (DF) - Brasil
Fone/Fax: +55 (61) 3201-0932

 

Layout desenvolvido por: